terça-feira, 28 de novembro de 2017

A Falsa Reação da Direita

Por: Fabio H. de Campos Diogo

As grandes "novidades" da política nacional

A Direita caricata, aquela que vemos comumente hoje em dia, possui muitas características que podemos classificar como viciosas e até mesmo antinaturais. Isso é, se dizem guardiões santos da moralidade religiosa, da ética civil e de todos os aspectos "verdadeiros" de uma civilização; mas, através de uma pequena análise, podemos compreender que todo seu discurso "civilizacional" não passa pura e simplesmente de mera estética e, na maioria da vezes, de puritanismo irracional.

A direita desenvolve em si mesma uma mentalidade de seita, onde são definidos dogmas políticos que são, muitas das vezes, considerados acima mesmo dos próprios dogmas religiosos - Aqueles que verdadeiramente importam. Quando discutindo com direitistas, já pude observar que é possível até mesmo escarnecer dos dogmas religiosos o quanto se desejar, desde que se defenda uma visão pobre de "família", o liberalismo econômico - inseparável do liberalismo filosófico - e  também uma visão bárbara de opressão em relação ao povo. 

Ora, a solução plena para o direitista liberal caricato é a força bruta, a bala na cara e a intervenção militar [inclusive, as novas reformas liberais estão sendo impostas pelo governo e qualquer reação mínima a isso é recebida com truculência], mesmo que esta instituição militar esteja majoritariamente tomada pelos positivistas e sem projeto nacional. E, caso alguém faça uma crítica ao esquema de governo militar, essa pessoa já é considerada em si mesma como algum tipo de demônio infernal vivo na terra.

Mas, falando exclusivamente da mentalidade vingativa, a doutrina católica é bem explícita quanto ao devido tratamento aos criminosos em geral - caso muito falado na Direita. Enquanto que os direitistas apenas pensam na punição como um fim em si, e que os criminosos deveriam todos ser mortos, a doutrina vai pelo lado oposto - mas não entra no erro da Esquerda, que é o de romantizar os criminosos como pequenas e inocentes crianças, vítimas da sociedade. 

A doutrina diz que a justiça deve ser aplicada e que seu principal objetivo deve sim ser a reabilitação do indivíduo na sociedade; portanto, a punição deve ser formada de tal maneira que estes indivíduos encarcerados enxerguem uma verdadeira saída de sua vida pecaminosa. Assim, a punição não teria fim em si mesma (isso até seria sádico), mas ela deve ser explícita em seu ideal, sem ser injusta para que o indivíduo retorne não apenas à sociedade, mas sim ao bom senso da própria Realidade.

Toda a estética que está por trás da Direita funciona como um aparato reacionário à mentalidade doentia da Esquerda pós-moderna; mas a grande questão é que essa Direita não é verdadeiramente boa, muito pelo contrário: cooptam pessoas com esse discurso, mas as levam a aderir à discursos que muitas das vezes são anti-povo, como abolir os programas de assistência social e aumentar a mentalidade capitalista, algo que claramente gera o empobrecimento da sociedade [Chesterton, filósofo católico conservador, já alertou sobre isso].

Além de tudo isso, aqueles direitistas que se dizem católicos são os primeiros a abandonar seus dogmas para obedecer regras criadas por liberais que desobedecem quase que completamente todos os preceitos da doutrina católica. É possível observar pessoas até mesmo tentando defender o capitalismo através de bula papal (algo que é, em si, uma blasfêmia). A doutrina é e sempre foi claramente anticomunista e anticapitalista, sempre afirmando a necessidade da moralidade cristã em todos os âmbitos da sociedade, pois toda a aparelhagem estatal deve ser voltada para a verdadeira necessidade espiritual; sendo assim, o Estado deve ser um elemento de coesão em todos os âmbitos e deve, portanto, reconhecer a verdadeira finalidade do homem, a Realidade.

Por isso, ouso afirmar que a Direita é simplesmente o outro lado da moeda, aparentemente contrário à Esquerda, mas ainda assim defendendo pautas liberais que, de qualquer forma, acabam abrindo espaço para o crescimento dos elementos culturais e morais da Esquerda pós-moderna. Ninguém deveria ser enganado pelo esteticismo criado pela Direita, como se seus membros desempenhassem o papel de heróis de algum tipo; e é esse o nosso dever, esclarecer as pessoas e trazer uma via responsável que esteja de acordo com a própria Verdade.


Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Visitas

Participe do nosso Fórum Online

Siga-nos no Facebook

Marcadores