sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Garoto de 12 anos que iniciou a transição de gênero se arrepende

Tradução: Jean A. G. S. Carvalho


Foto: 60 Minutes


Um estudante australiano que decidiu se transformar em mulher mudou de idéia dois anos depois.

Com apenas 12 anos, Patrick Mitchell implorou para que a mãe permitisse que ele tomasse hormônios sintéticos de estrogênio, depois que os médicos o diagnosticaram com disforia de gênero - uma condição na qual uma pessoa experimenta sofrimento porque há uma incompatibilidade entre seu sexo biológico e sua identidade de gênero.

"Você deseja poder mudar tudo em você; você vê qualquer garota e diz que seria capaz de matar para ser daquele jeito", disse Mitchell ao 60 Minutes.

Depois de atender aos conselhos de profissionais que sugeriram que era a escolha certa, sua mãe foi totalmente solidária e Mitchell começou a fazer a transição. Ele deixou o cabelo crescer e começou a tomar os hormônios, o que fez com que seu corpo desenvolvesse os seios. Mas, dois anos depois, Mitchell teve uma mudança.

No início de 2017, os professores da escola começaram a se referir a ele como uma menina , o que fez com que Mitchell a questionasse se ele havia tomado a decisão certa. "Comecei a perceber que estava realmente confortável no meu corpo. Todos os dias eu me sentia melhor ", disse ele ao Now To Love.

A mãe de Patrick disse que ele costumava se vestir com roupas femininas. Como resultado, Mitchell confiou em sua mãe e explicou que queria a transição de retorno para a identidade de menino. "Ele me olhou nos olhos e disse: 'Não tenho certeza se eu sou uma menina' ", explicou a mãe.

Agora, numa tentativa de retornar ao seu corpo original, ele parou de tomar sua medicação e está prestes a ter uma operação para remover o excesso de tecido mamário, que será o estágio final de sua transição.

Aos 12 anos de idade, ele começou a tomar hormônios de estrogênio depois que os médicos o diagnosticaram com disforia de gênero. Embora a disforia de gênero seja rara, o número de pessoas que estão sendo diagnosticadas com essa condição está aumentando, devido à crescente conscientização pública.

Uma pesquisa com 10 mil pessoas realizada em 2012 pela Comissão de Igualdade e Direitos Humanos descobriu que 1% da população pesquisada tinha variações de gênero, até certo ponto.

Se você acha que você ou seu filho podem ter disforia de gênero, o NHS sugere ver seu médico de família que, se necessário, pode encaminhá-lo para uma Clínica Especializada de Identidade de Gênero (GIC).



Texto original disponível em: Independent.co.uk



Share:

0 comentários:

Postar um comentário

Visitas

Marcadores